Os efeitos fisiológicos da Manipulação Articular – # Alívio da dor


Esta publicação abordará um pouco dos efeitos fisiológicos da Manipulação Articular, mas é importante que tanto os Quiropraxistas quanto os pacientes tenham em mente que o Ajuste tem o objetivo de remover a subluxação, e não de lidar com os sintomas que possam ser descritos aqui.

Alívio da dor

Um dos motivos de maior procura à Quiropraxia é a dor. Mas o por quê disso entenderemos a seguir.

Seja como for, para simplificar, pacientes que procuram a Quiropraxia, independente do motivo, relatam que sentem menos dores, tanto as dores relacionadas à condições patológicas (lombalgias, dorsalgias, ombralgias, etc.) como as dores relacionadas à condições fisiológicas (dores decorrentes à exercícios por exemplo).

Seguem alguns dados mais científicos:

Um pesquisador chamado Vincenzino comparou o efeito de analgesia da Manipulação articular com os efeitos da acupuntura, estimulação elétrica trans-cutânea e gelo.  Ele chegou à teoria de que o efeito de alívio da dor ocorre devido à um estímulo do núcleo cinzento periaquedutal dorsal, desencadeando uma inibição sistêmica da dor. Este mecanismo pode ser descrito como não opióide.

Em outro estudo, Vincenzino buscou avaliar a atividade simpática no cotovelo e mão através da mensuração da temperatura da pele e fluxo sanguíneo nas regiãos. Após as intervenções, apenas o grupo da manipulação demonstrou tanto analgesia quanto alterações autonômicas simpato-excitatórias (diminuição da temperatura da pele e fluxo sanguíneo). Estudos em animais confirmam que esta exata combinação de analgesia com essas alterações autonômicas simpato-excitatórias são creditadas ao núcleo cinzento periaquedutal dorsal.

Esses achados colaboram com a teoria de Korr, que demonstra que a simpaticotonia é induzida pela disfunção vertebral e amenizada pela manipulação.

Outra pesquisa, desta vez elaborada por Glover, comparou os efeitos de alívio das dores lombares tratadas com manipulação com o alívio das tratadas com ondas curtas, utilizando como parâmetro a sensibilização dos neurônios dos cornos dorsais, subseqüente à dores mecânicas da coluna.

Esta sensibilização gerava diminuição do limiar de excitação que pôde ser monitorada pela aplicação de estímulos relativamente inócuos à pele e que foram percebidos como dolorosos.

A pesquisa demonstrou que a manipulação articular da coluna parece diminuir essa sensibilização.

Podemos dizer então que, ainda que pouco esclarecido o mecanismo pelo qual isto ocorre, é inegável que a manipulação articular (quando devidamente executada) desencadeia alívio de diferentes dores.



Bibliografia

Vernon H: Qualitative Review of Studies of Manipulation-induced Hypoalgesia. JMPT, 2000